Parc de la Gatineau – O paraíso das cores do outono no Canadá

Entrava ano, saía ano… e o Canadá sempre surgia nos nossos planos de viagem. Acontece que a vontade esbarrava sempre na logística. É que não queríamos qualquer Canadá. Queríamos o Canadá do outono – aquele com as folhas de bordo vermelhas, laranjas e amarelas. E quem disse que a gente conseguia encaixar esta viagem nos meses ideais? Assim, os anos foram passando e a vontade acumulando. Até que em 2019, conseguimos enfim, tirar os planos do papel. E foi assim que o Parc de la Gatineau ganhou protagonismo no nosso roteiro.




Não sei dizer exatamente como o encontrei. Mas, logo que fechamos a viagem, lembro de ter começado uma busca incansável pelos parques canadenses. Sabia que neles encontraria exatamente o que queria ver. Gatineau fica coladinho em Ottawa, a primeira cidade da nossa road trip e, apesar de não lembrar, posso me imaginar dizendo “vamos num parque logo na primeira cidade, para garantir!”. Pois bem… sorte é pouco para o baita gol que acertamos logo no primeiro chute. De certo, o que vimos no Parc de la Gatineau (ou Gatineau Park) superou toda e qualquer expectativa. Cenários deslumbrantes, avassaladores. Lagos serenos, abraçados por uma vegetação de cores saturadas. Muito, muito mais lindo do que eu seria capaz de imaginar.

Neste artigo, eu te conto mais detalhes sobre o parque – o que há por lá, como chegar, quando ir, etc. – e trago dicas importantes para que você possa visita-lo da melhor forma.

O que você vai encontrar neste post:
1. PARC DE LA GATINEAU (GATINEAU PARK) – UM RESUMÃO
2. ONDE FICA O PARC DE LA GATINEAU?
3. COMO CHEGAR AO PARC DE LA GATINEAU?
4. CLIMA – QUANDO IR AO PARC DE LA GATINEAU?
5. ONDE FICAR PARA VISITAR O PARC DE LA GATINEAU?
6. PRECISO PAGAR PARA ENTRAR NO GATINEAU PARK?
7. O QUE VER E FAZER NO PARC DE LA GATINEAU?
8. DICAS ESPERTAS PARA A VISITA.
9. INFORMAÇÕES PRÁTICAS.




1. PARC DE LA GATINEAU (GATINEAU PARK) – UM RESUMÃO

O Parc de la Gatineau (cuja pronúncia correta é “gatinô”) é um parque federal canadense, fundado no ano de 1938 e atualmente administrado pela Comissão da Capital Nacional do Canadá. Com cerca de 360km2 de área total, trata-se do parque mais visitado da província de Quebec.

Você sabia que o seguro médico é item OBRIGATÓRIO em viagens para diversos países mundo afora? Se você ainda não contratou o seu, clique aqui e cote com a SegurosPromo. Através dela, você consegue comparar preços de vários planos e fica fácil encontrar o que melhor se encaixa em suas necessidades e em seu bolso! Afinal de contas, ninguém quer passar perrengue na férias, né? E mais: utilizando o cupom de desconto IMAGINANAVIAGEM5 você ainda garante 5% de desconto na contratação do serviço!

NO PASSADO…

O parque é parte do Canadian Shield (escudo canadense), uma grande massa rochosa formada há mais de 1 bilhão de anos. Acredita-se que a região de Gatineau Park é habitada há cerca de 5 mil anos, tendo sido, primeiramente, um território dos índios Anishinaabe. Desde o século XVII, a região ganhou interesse de exploradores europeus, mas foi somente ao final do século XVIII, após a independência dos Estados Unidos, que alguns lealistas (colonos americanos que brigavam ao lado da Coroa Britânica) imigraram para o norte, fazendo daquela região sua nova base. Até hoje é possível encontrar resquícios daquela época, já que muitos dos principais pontos de interesse do parque trazem consigo o sobrenome das famílias de colonos que passaram por ali (como o lago Pink, o lago Meech, o lago Fortune, a caverna Lusk e ou mesmo o belvedere Étienne Brûlé).

HOJE EM DIA…

Depois de muitos anos tendo seus recursos explorados (com seu solo infértil, os colonos passaram a desenvolver atividades como a mineração, extração de madeira e caça), o parque hoje é uma importante área de conservação e preservação da fauna e flora locais. Atualmente, pode-se encontrar ali uma variedade de mais de 1000 espécies de plantas, 50 espécies de árvores e uma infinidade de animais – alguns dos quais estão em risco no Canadá. Ursos negros, lobos orientais, linces, castores, alces, esquilos, marmotas, doninhas, raposas, guaxinins são apenas alguns (poucos) encontros que você pode ter por lá.

Parc de la Gatineau © Imagina na Viagem
Parc de la Gatineau © Imagina na Viagem

Em meio a toda esta natureza abundante e protegida, seus principais atrativos são os 180 quilômetros em trilhas, bem como os mais de 50 lagos existentes ali. Atividades como caminhada, mountain bike, escalada, canoagem e esqui (nos meses de inverno) são super comuns por ali. Há ainda algumas praias e uma rota repleta de mirantes com vistas deslumbrantes.

Para nós, Gatineau foi ainda mais que isso. Virou sinônimo das famosas (e maravilhosas!) “fall colours”. O espetáculo das cores do outono no Canadá é mil vezes mais deslumbrante quando visto a olho nu. E apesar de termos visto as “fall colours” em inúmeros pontos ao longo de nossa road trip pelo leste canadense, o Parc de la Gatineau foi – disparado! – aquele que nos rendeu os mais verdadeiros “uaus”. Aliás, uma pausa… é que só de lembrar o queixo caiu e eu tive que colocar de volta no lugar.

ONDE FICA O PARC DE LA GATINEAU?

Quando falei sobre o Parc de la Gatineau no Instagram pela primeira vez, recebi uma dúvida genuína: “mas Marina, se ele fica em Ottawa (lado inglês do Canadá), porque o nome é em francês?”.

Pois bem… em primeiro lugar, é preciso explicar que o parque não fica exatamente em Ottawa. Apesar de ser coladinho na cidade (cerca de 15 minutos de carro apenas), o Parc de la Gatineau fica “do outro lado da fronteira”, já na província de Quebec – lado francês do Canadá. Daí a razão do nome ser lido, preferencialmente, neste idioma. Ainda assim, todas as placas e sinalização do parque trazem informações bilíngues e, por muitas vezes, você verá o nome Gatineau Park também.

Parc de la Gatineau © Imagina na Viagem
Parc de la Gatineau © Imagina na Viagem

Em razão da sua grande extensão, o parque está “espalhado” por municípios diferentes. Nós entramos pela cidade de Gatineau, pela Promenade de la Gatineau (coordenadas: 45.439882, -75.762206) – a entrada mais próxima à cidade de Quebec. Mas existem entradas por outros pontos – incluindo Chelsea, onde está localizado seu Centro de Visitantes (33 Scott Road, Chelsea).

COMO CHEGAR AO PARC DE LA GATINEAU?

Preferencialmente, de carro alugado. Não apenas pelo acesso, mas o carro é fundamental para percorrer o parque (que, como já falei, é grande) com liberdade e bom aproveitamento. Eu arriscaria dizer, inclusive, que o tempo que você levaria para se deslocar, a pé, entre os principais pontos de interesse do parque, inviabilizaria o passeio.

Pensando em alugar um carro? Minhas dicas são: prefira locadoras mais reconhecidas no mercado como Sixt, Europcar, Avis, Hertz e Álamo e, se puder, faça todos os seguros possíveis. Embora possam encarecer o aluguel, eles garantem uma viagem livre de stress!
Por aqui, nós utilizamos a plataforma RentCars para cotar e alugar nossos carros.
Nela, você consegue comparar ofertas de diversas locadoras e fica fácil encontrar uma opção redondinha para as suas necessidades, sem pesar no seu bolso!
Acesse a RentCars clicando aqui e faça sua simulação!

Só para que você tenha uma ideia: da entrada (em Gatineau) até o Belvédère Champlain – o mirante queridinho do parque – são cerca de 18 quilômetros de caminhada. Contando ida e volta são 36 quilômetros. E há bastante o que ver no caminho (e também fora dele). Você provavelmente alguns fará desvios, longos desvios. Isso sem falar nas trilhas que você pode querer fazer. Ao final do dia, conte aí uns 50 quilômetros de caminhada, talvez… se você não for maratonista frequente, desaconselho fortemente a empreitada. O risco de não levantar da cama no dia seguinte é alto.

Para os maratonistas (ou aventureiros teimosos): saindo de Ottawa, as linhas de ônibus 22, 25, 26 e 34 te deixarão próximo a entrada do parque. Mas vou dizer, mais uma vez, que não recomendo, tá?

ESTACIONAMENTOS E ESTRADAS

Quem visita o Parc de la Gatineau de carro pode ficar sossegado. O parque é super bem servido de estacionamentos. Eles estão disponíveis em quase todos os pontos de interesse e/ou inícios de trilha. A maior parte deles é gratuita ao longo de todo o ano. No verão, há uma taxa nos estacionamentos das praias e no Mackenzie King Estate. O ticket diário custa 12 dólares canadenses e deve ser comprado na hora, em máquinas automáticas disponíveis nos estacionamentos. Atenção: as máquinas aceitam cartão de crédito ou dinheiro, mas não dão troco, portanto é bom levar a quantia certinha.

Parc de la Gatineau © Imagina na Viagem
Parc de la Gatineau © Imagina na Viagem

As estradas e estacionamentos do Parc de la Gatineau são fechados, todas as noites, 30 minutos após o pôr do sol. Em finais de semana, algumas estradas também podem fechar para atividades e eventos especiais, mas o acesso aos principais pontos de interesse é mantido. Durante o inverno, um número maior de vias é interditado por motivos de: neve e uma porção de gente esquiando. As estradas municipais (Chemin du Lac-Meech, Kingsmere Road, Swamp Road e Barnes Road) seguem abertas durante todo o ano.

CLIMA – QUANDO IR AO PARC DE LA GATINEAU?

Esta eu respondo de bate pronto: a qualquer época do ano. Porque sim, o parque tem excelentes atrativos ao longo das quatro estações.

VERÃO

O verão (entre junho e setembro) é a alta temporada. As temperaturas médias ficam entre 12°C e 26°C graus. Parece pouco, mas é o suficiente para os canadenses aproveitarem BEM as praias do parque. Isso significa nadar, tomar um sol nas pequenas faixas de areia ou fazer um passeio de lancha, canoa, caiaque, pedalinho ou stand-up paddle. Nesta época, as áreas de pique-nique também ficam movimentadas. Em algumas delas, há churrasqueiras livres para o uso. E fazer um churrasco no parque num dia de sol parece uma ideia ótima, não? As trilhas “de verão” (abertas durante todo ano, com exceção do inverno) também são uma boa pedida. Há diversas opções, com variados níveis de dificuldade e distância. Muitas levam a pontos escondidos do parque, cuja beleza vale MESMO a caminhada. Ciclismo, cavalgadas e tirolesa também podem ser aproveitados nesta época.

PRIMAVERA E OUTONO

A primavera e o outono (de março a junho e de setembro a dezembro, respectivamente) são, na minha opinião, as épocas mais bacanas para curtir o parque. As temperaturas ainda são toleráveis mesmo para quem não curte muito o frio, o movimento da alta temporada já ficou para trás e a maior parte dos atrativos segue aberto normalmente – com destaque para as trilhas e mirantes. E, não posso deixar de dizer: o outono, definitivamente, ganhou meu coração. Imagino que as fotos façam o seu bater mais depressa também, mas acredite: é tudo ainda mais lindo quando visto a olho nu. A vegetação densa, a mistura de tons em cada trilha, os lagos plácidos refletindo as cores saturadas… é difícil explicar a beleza que vimos ali. Eu torço para que você possa vê-la um dia. Todos deveriam.

Parc de la Gatineau © Imagina na Viagem
Parc de la Gatineau © Imagina na Viagem

INVERNO

No inverno, o cenário se transforma inteiramente. Você sabe, o Canadá é conhecido pelos invernos rigorosos, com temperaturas negativas e neve na altura dos joelhos. O Parc de la Gatineau retrata bem isso. Entre dezembro e março, as temperaturas ficam entre 2°C e -16°C e a neve toma conta. Você acha que o parque fecha nesta temporada? Que nada. Durante estes meses, ele se transforma em uma das maiores redes de trilha de ski cross-country (esqui de fundo) da América do Norte. Além disso, há outras atividades como ciclismo de neve e trilhas para raquetes. Não tivemos a experiência mas se voltarmos a Ottawa nesta época, certamente entraria no roteiro. Não apenas pela diversão, mas também pela singularidade.

O índice pluviométrico do parque é bastante estável. Em outras palavras, chuvas não deveriam influenciar a sua escolha. A chance de chover é quase sempre a mesma, a qualquer época do ano.

ONDE FICAR PARA VISITAR O PARC DE LA GATINEAU?

Se o seu desejo é somente conhecer os principais atrativos do parque, isto pode ser feito em um dia. Assim, o ideal é fixar sua base em Ottawa e separar um dia do seu roteiro para o passeio. Ottawa é uma cidade incrível, a capital mais organizada, limpa e agradável que já conheci. Um lugar que, definitivamente, merece a sua atenção. Para ver nossas dicas e sugestões de hospedagem em Ottawa, veja o post: Onde ficar em Ottawa – Os melhores hotéis e hostels da cidade.

Já reservou seu hotel para a viagem?? Eu sempre opto por reservar os meus hotéis através do Booking.com Nele fica fácil encontrar as melhores opções de hospedagem - e excelentes ofertas! Reservando seu hotel através de nossos links, você contribui com o Imagina na Viagem sem pagar nadinha a mais por isso! Acesse em: Booking.com

Por outro lado, se você se encantou com o Parc de la Gatineau (tá sonhando em desbrava-lo mais profundamente) e tem tempo de sobra no roteiro de férias, há uma segunda opção também muito legal: se hospedar DENTRO do parque. Há áreas para camping (barraca ou motorhome) e cabanas prontas para acampamento (com cama e cozinha completa). Em ambos os casos, a reserva antecipada não é obrigatória, mas recomendada, principalmente se você viaja no verão. Elas podem ser feitas online, no site oficial do parque em: www.reservations.ncc-ccn.gc.ca.

Parc de la Gatineau © Imagina na Viagem
Parc de la Gatineau © Imagina na Viagem

Ainda dentro do parque, se você deseja um nível maior de conforto, o Moulin Wakefield Mill Hotel & SPA é a pedida certeira. Trata-se de um hotel quatro estrelas com pegada de ecolodge de luxo, com direito a piscina e hidromassagem com vista para o parque. E o melhor: o preço me pareceu bem justo para o que ele promete entregar. Infelizmente, eu só descobri quando já estava por lá (e com o roteiro fechado), mas o Moulin já entrou pra minha listinha de “preciso me hospedar” e encaixou como a desculpa perfeita para um repeteco no Gatineau Park.

PRECISO PAGAR PARA ENTRAR NO GATINEAU PARK?

A entrada no Parc de la Gatineau é gratuita durante todo o ano. Ainda assim, a depender da época da sua visita e do que você planeja fazer por lá, pode ser necessário desembolsar alguns dólares.

É o caso das taxas cobradas em alguns estacionamentos durante o verão (conforme falei lá em cima), das atividades como tirolesa ou do aluguel de equipamentos como pedalinho, SUP, etc.

Há ainda um passe especial de inverno exclusivo para aqueles que desejam utilizar as trilhas (ski cross-country, ciclismo de neve ou raquete de neve) do parque. O passe para o dia inteiro custa 20 dólares por adulto (crianças não pagam) e pode ser comprado online ou in loco nos quiosques de venda automática, localizados ao início de cada trilha – apenas pagamento em dinheiro e sem opção de troco.

Parc de la Gatineau © Imagina na Viagem
Parc de la Gatineau © Imagina na Viagem

O QUE VER E FAZER NO PARC DE LA GATINEAU?

Já dei vários spoilers ao longo do texto, né? Mas é hora de trazer mais detalhes. Abaixo, você encontra uma listinha com alguns dos principais pontos de interesse (nossos preferidos) do parque e seus detalhes.

LAC PINK

Trata-se de um dos únicos 58 lagos meromíticos da América do Norte. “Mas, Marina, o que é um lago meromítico?”. Então, eu também não sabia. Aprendi que lagos meromíticos são aqueles em que as camadas superior e inferior de água jamais se misturam. Em outras palavras, isso significa que as águas profundas do Lac Pink são totalmente privadas de oxigênio e nutrientes, razão pela qual seu único habitante é um organismo anaeróbico pré-histórico. Louco, não?

Na superfície, por outro lado, outras formas de vida foram capazes de se desenvolver. É o caso das algas microscópicas responsáveis por fazer do lago tão verdinho! Sim, o Lac Pink é verde como você vê na foto (e talvez até mais). Não há truques de edição. Circundado por uma vegetação densa, com árvores integralmente coloridas de amarelo, laranja e vermelho durante o outono, ele torna-se ainda mais espetacular. Não por menos, foi um dos nossos pontos preferidos do parque. Você pode ter uma bela vista do Lac Pink a partir de seu mirante (há estacionamento bem ao lado) ou, ainda, gastar algum tempinho a mais por lá, percorrendo a trilha que contorna todo o lago.

Parc de la Gatineau © Imagina na Viagem
Parc de la Gatineau © Imagina na Viagem

LAC MEECH

Dentre os lagos com praia, o Lac Meech é o mais próximo da cidade. Conta com duas faixas de areia (O’Brien e Blanchet), onde é possível esticar uma canga, tomar um sol ou mesmo praticar esportes. Caiaques e canoagem também são comuns por ali. Ao longo da Chemin du Lac Meech você encontrará inúmeras casas, algumas delas com direito a deck sobre a água. Segure o queixo e junte-se a mim no time dos que sonham em comprar uma delas. Há também boas trilhas partindo dali e alguns estacionamentos. Durante o verão, a qualidade da água nas praias do Parc de la Gatineau é testada quinzenalmente. Você pode ver os resultados (e decidir se leva ou não o biquini) no site: www,ncc-ccn.gc.ca/places/swimming.

Parc de la Gatineau © Imagina na Viagem
Parc de la Gatineau © Imagina na Viagem

LAC PHILIPPE

Junto com o Lac Meech, o Lac Philippe é um dos lagos mais movimentados do Parc de la Gatineau durante o verão. Ao seu redor é possível encontrar áreas de acampamento, três praias (Lusk Cave Beach, Parent Beach e Breton Beach), além de diversas trilhas. É do Lac Philippe que parte, inclusive, a trilha que leva à famosa caverna Lusk. Há ainda aluguel de canoas, caiaques solo, caiaques em tandem, pranchas de stand up paddle e pedalinhos. Os serviços funcionam entre meados maio e meados de outubro e os horários de variam conforme a época e dia da semana. Assim, vale checar todas as informações no site oficial: www.ncc-ccn.gc.ca/places/boating. Estacionamentos também estão disponíveis por lá.

LUSK CAVE

Infelizmente não tivemos a chance de conhecê-la, no entanto as fotos me deixaram bastante curiosa e se tivéssemos mais tempo por lá ela certamente teria entrado no roteiro. A partir da Parents Beach, no Lac Philippe, a trilha que leva até a caverna de mármore tem 5 quilômetros de extensão. São, em média, 4 horas de caminhada – levando em consideração o trajeto de ida e volta – mais o tempo que você levará para conhecer a caverna em si. O nível de dificuldade da trilha é baixo, portanto não é necessário ter a companhia de um guia. Todavia, recomenda-se usar roupas adequadas (sapatos próprios para trilha) e ter consigo lanternas e capacete de segurança.

TRILHAS

São mais de 180 quilômetros de trilhas de verão (abertas também durante a primavera e outono). No inverno, são 200 quilômetros de trilhas de ski, 60 quilômetros de trilhas para raquetes de neve e 30 quilômetros de trilhas para snow biking. A qualquer época do ano, não faltarão caminhos lindos a serem percorridos.

Escolher uma trilha pode ser difícil pela grande quantidade de opções. Contudo, o site oficial do parque facilita o processo. Nele, você encontrará informações como duração, nível de dificuldade, extensão e sinalização do percurso. Durante o inverno, também é possível encontrar detalhes sobre as condições das trilhas de esqui em tempo real. Veja mais nos links abaixo:

Parc de la Gatineau © Imagina na Viagem
Parc de la Gatineau © Imagina na Viagem

MIRANTES

Mirantes (ou belvédères – em francês, ou lookouts – em inglês) também não faltam por lá. Em comum, todos eles oferecem vistas magníficas. Ao percorrer a Promenade de la Gatineau e a Promenade Champlain você encontrará a sequência a qual considero imperdível: Belvédère Lac Pink, Belvédère Huron, Belvédère Étienne-Brûlé e, por fim, Belvédère Champlain. O trajeto pode ser uma boa opção para quem deseja conhecer o parque sem gastar muito tempo por lá, ou para aqueles que não curtem muito as trilhas e atividades ao ar livre. Há estacionamentos em todos os mirantes e alguns deles também oferecem áreas para piquenique.

Parc de la Gatineau © Imagina na Viagem
Parc de la Gatineau © Imagina na Viagem

MACKENZIE KING ESTATE

A grande propriedade de verão do antigo primeiro-ministro do Canadá, William Lyon Mackenzie King, foi convertida em espaço público e hoje recebe uma grande quantidade de turistas. Foi construída na primeira metade do século XX e é ornamentada com belíssimos jardins em seu entorno. Atualmente, Mackenzie King Estate recebe exposições temporárias e outras atividades. Além disso, abriga um restaurante e uma casa de chá. Particularmente, não achei que valia tempo do nosso passeio, afinal de contas, no período em que estivemos lá (ao final do mês de outubro) não havia atividades ou qualquer serviços no local. No entanto, se você visita o Gatineau Park entre maio e o meio de outubro, pode ser uma boa pedida inclui-la em seu roteiro. Há estacionamento no entorno.

CURIOSIDADE: William Lyon Mackenzie King não é o único primeiro-ministro a se gabar por ter uma residência de verão no Gatineau Park, não. A Harrington Lake é a residência de verão do atual primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau. A casa fica entre o Lac Meech e o Lac Mousseau – com acesso ao final da Chemin du Lake Meech. Portanto, não se assuste se der de cara com alguns homens de preto, com fones de ouvido e pinta de segurança do presidente. De fato, eles são quase isso.

CAMP FORTUNE

Dica boa para quem viaja com crianças, o Camp Fortune é um centro de esqui alpino e snowboard durante o inverno. No verão, quando a neve vai embora, outras atividades – como tirolesa, arvorismo e mountain bike (downhill e cross-country) – fazem a alegria dos visitantes. No outono, passeios de teleférico podem dar uma noção ainda maior do espetáculo das Fall Colours. Em 2019, os teleféricos do Camp Fortune funcionaram até o dia 26 de outubro, sempre aos finais de semana. Vale a pena ficar de olho no site oficial para mais detalhes sobre a programação anual – uma vez que as datas e horários de funcionamento podem variar de ano para ano. Veja em: www.campfortune.com/

DICAS ESPERTAS PARA A VISITA

  1. Leve água e lanches com você. É possível que o seu roteiro pelo Parc de la Gatineau dure um dia inteiro e, uma vez dentro do parque, você não terá acesso fácil à lojas, restaurantes ou conveniências. Assim, o ideal é passar no supermercado antes da visita e preparar alguns lanchinhos para o dia. Sanduíches, biscoitos e nuts são sempre boas opções. Caso vá fazer trilhas, não esqueça de colocar algumas garrafas de água na mochila.
  2. Caso planeje fazer uma ou algumas trilhas, lembre-se de levar roupas adequadas em sua mala. Calçados próprios para a atividade são importantes, assim como casacos impermeáveis e corta-vento. Por fim, vale amarrar alguns guizos nos cadarços dos tênis ou botas. Dizem que o barulho ajuda a manter os ursos afastados. Dica local, quem somos nós pra duvidar?
  3. Lembre-se que o parque é grande e será praticamente impossível vê-lo por inteiro em um único dia. Assim, defina seus pontos de interesse e crie um roteiro prévio para seguir durante a visita. Se você souber exatamente o que quer conhecer e qual a melhor ordem para percorrer estes pontos, terá seu tempo otimizado e aproveitará muito mais!
  4. Baixe o mapa da região em seu celular (você pode fazer isso com o Google Maps). Em alguns pontos, o sinal pode ser instável e é sempre bom ter um mapa atualizado em mãos.
  5. Eu sei que o parque é lindo e, possivelmente, você vai esquecer das horas durante o passeio. No entanto, tente lembrar delas vez ou outra. Esteja atento ao relógio, principalmente ao final do dia. Já falei aqui, mas é sempre bom relembrar: as estradas do parque fecham 30 minutos após o pôr-do-sol.

INFORMAÇÕES PRÁTICAS – CENTRO DE VISITANTES DO PARC DE LA GATINEAU

Caso tenha dúvidas sobre o parque e suas trilhas, queira adquirir passes, mapas ou souvenires, o Centro de Visitantes é o seu destino ideal. Por lá você ainda encontrará uma exposição sobre os ecossistemas do parque, banheiros (eles estão espalhados por vários pontos do parque), água e wi-fi gratuito.

O Centro de Visitantes do Gatineau Park fica na no número 33 da Scott Road, em Chelsea (coordenadas: 45.506249, -75.812050). Ele está aberto todos os dias do ano – exceto 25 de dezembro –, nos horários abaixo:

De 1 de maio a 31 de outubro: diariamente, das 9h às 17h.
De 1 de novembro a 30 de abril: segundas a sextas, das 9h às 16h, sábados e domingos, das 9h às 17h.

Parc de la Gatineau © Imagina na Viagem
Parc de la Gatineau © Imagina na Viagem

LEIA MAIS:
+ Onde ficar em Montreal – Um guia sobre a hospedagem na cidade.
+ Onde ficar em Ottawa – Os melhores hotéis e hostels da cidade!
+ Hotel X Toronto – um oásis urbano com vista para o skyline mais famoso do Canadá.
+ Hôtel 71 – Personalidade e conforto no coração de Quebec.

PLANEJE SUA VIAGEM E RESERVE AQUI!

Quando você faz uma reserva através de nossos links, nós ganhamos uma pequena comissão. Você não paga nada a mais por isso e ajuda o Imagina na Viagem a continuar produzindo conteúdo e trazendo dicas pra você! Então, o que tá esperando? Faça a sua reserva e nos dê uma força!





Post Anterior

Onde ficar em Montreal - Um guia sobre a hospedagem na cidade.

Próximo Post

O que fazer em Ottawa - 8 atrações turísticas para colocar no roteiro.

Comentários

Deixe registrado seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.