Museu Oceanográfico de Mônaco: um rico passeio pela vida marinha.

Eu não sou fã de aquários, não tenho por hábito visitar zoológicos e você quase nunca vai me ver em atrações turísticas com temática animal. Opção pessoal, com base na minha experiência de vida e coisas que já vi por aí… Que fique claro: não condeno quem pensa diferente – aqueles que viajam com crianças, principalmente -, mas não é mesmo o tipo de turismo que curto em minhas viagens. Dito isso, talvez seja surpresa para muita gente que nós tenhamos ido ao Aquário e Museu Oceanográfico de Mônaco e – além – que esta visita tenha virado post por aqui. Nas próximas linhas, eu explico a razão pela qual abrimos essa exceção e por que você também deveria incluir este passeio em sua viagem a Mônaco.


Veja também: nosso roteiro completo da Road Trip pela França: de Paris à Côte d’Azur


 

 

O MUSEU OCEANOGRÁFICO DE MÔNACO

Fundado no ano de 1910 pelo Príncipe Albert I e por décadas dirigido pelo célebre oceanógrafo e inventor Jacques Cousteau, o Museu Oceanográfico e Aquário de Mônaco é, reconhecidamente, uma das mais completas entidades do tipo em todo o mundo.

O Templo do Mar, como também é popularmente conhecido, foi concebido para ser mesmo um palácio dedicado aos oceanos, uma das grandes paixões do monarca fundador. Sua arquitetura grandiosa impressiona… uma imponente construção de mais de 80 metros de altura erguida na encosta de um grande rochedo, de frente e tão próximo às ondas daquele que lhe deu origem – o Mediterrâneo. Não por menos, o Museu Oceanográfico figura também entre os principais pontos de interesse do Principado de Mônaco, recebendo – anualmente – cerca de 670 mil visitantes.

Os números impressionantes não param por aí… são 6.500m² dedicados exclusivamente à vida marinha, 100 tanques – onde vivem, atualmente, um número estimado de 6 mil espécimes do mar tropical e Mediterrâneo – e uma coleção vasta e de valor incalculável que traz artigos marítimos variados e históricos.

 

MAIS QUE UM MUSEU: UM GIGANTE DEDICADO À PRESERVAÇÃO MARINHA

Mas, até aí, excetuando a grandiosidade de seus números, ele parece mesmo um aquário como qualquer outro no mundo, certo? Acontece que, diferentemente da enorme maioria dos aquários que vemos por aí – onde a finalidade, travestida de entretenimento, é puramente comercial – o Museu Oceanográfico de Mônaco é também absolutamente engajado na preservação ambiental, através de estudos e pesquisas, ações socioeducativas e articulações políticas.

Quer um exemplo? Dentro de seus muros está atualmente uma das maiores criações em cativeiro do Benggai Cardinalfish. O peixinho preto e branco é originário dos mares indonésios – único lugar no mundo onde é encontrado – e é tido como o santo-graal dos peixes ornamentais “de aquário”. Vendido nos Estados Unidos por algumas dezenas de dólares, não espanta – infelizmente – que ao menos 2.000 peixes desta espécie sejam retirados do mar diariamente (a tragédia pode ser ainda maior hoje em dia, já que estes dados foram colhidos ainda em 2001!). A sobrepesca é uma preocupação real e alguns cientistas da área defendem a tese de que – se mantida a desordem – em 10 anos estes peixes terão desaparecido da vida selvagem. Embora já tenha sido chamado a tomar medidas protetivas, o governo da Indonésia ainda não mantém ações efetivas a este respeito. Assim, o Museu Oceanográfico de Mônaco e seu aquário despontam então como uma luz no fim do túnel para a conservação da espécie. Os números de nascimentos no museu ainda não seriam suficientes para um repovoamento, mas futuramente, é possível que sejam eles os responsáveis por evitar mais esta extinção.

Paralelamente, o Museu Oceanográfico de Mônaco também trabalha na reprodução em cativeiro de dezenas de espécies de corais. A entidade foi precursora a manter e reproduzir corais em cativeiro e, hoje em dia, consegue abastecer todos os seus tanques com corais gerados ali mesmo, evitando assim uma possível sobre-exploração de seus habitats naturais.

 

AINDA NÃO SABE PORQUE VOCÊ DEVERIA VISITAR?

Visitar o Museu Oceanográfico de Mônaco é, de certa forma, fomentar um trabalho dedicado que incentiva a discussão governamental – a nível mundial – de políticas de preservação dos oceanos e de cada um de seus habitantes. É demonstrar seu incentivo à uma instituição que repetidamente abre suas portas à cientistas e pesquisadores do mundo inteiro a fim de contribuir com seus estudos. Que promove conferências com líderes políticos e estudiosos visando estabelecer uma gestão global eficiente na proteção de nossos mares. É demonstrar apoio e, em troca, receber uma verdadeira aula, além de viver experiências que sensibilizam e transformam – ou expandem – nossa consciência ambiental. E, para além de tudo isso, é também um passeio divertido, repleto de curiosidades, vistas de cair o queixo e bichinhos lindos e fofinhos! Rs…

Ah, e se você viaja com crianças é tudo isso elevada a décima potência! Os pequenos ficam enlouquecidos por ali.

Museu Oceanográfico de Mônaco © Imagina na Viagem

 

A VISITA AO MUSEU OCEANOGRÁFICO DE MÔNACO

Basicamente, a visita ao Museu Oceanográfico de Mônaco se dá em duas etapas: na primeira, o visitante é levado a conhecer o aquário com seus mais de 100 tanques, na segunda, o museu propriamente dito.

No aquário você encontrará mais de 6 mil espécies marinhas que vão de peixes-palhaços fofos (quem não adora um Nemo?) aos assustadores tubarões. Tartarugas marinhas, piranhas e moreias também podem ser vistas por ali. Destaque absoluto, as medusas, que parecem dançar nas águas, ficam anda mais lindas em um tanque com iluminação especial que parece fazê-las mudar de cor.

O mais legal, na minha opinião, é que ao lado de cada tanque ou aquário, você encontrará um tablet, contendo – em francês, inglês ou italiano – um apanhado de informações sobre as espécies expostas, além de curiosidades bem interessantes que giram em torno delas. “Quem eu sou”, “Onde eu vivo”, “O que eu como” e “Meu segredo” são as questões-chave. Isto faz da visita muito mais do que apreciativa, mas uma verdadeira aula para quem se interessa em aprender mais sobre a vida marinha, seja adulto ou criança.

Vale dizer que, com empenho em pesquisa e reprodução, muitos dos peixinhos que você verá no aquário nasceram ali mesmo, dentro dos muros do museu. Você poderá ver filhotes de cavalos-marinhos, ovos de salmão e até mesmo embriões de tubarões do Mediterrâneo.

A segunda parte da visita é dedicada à história da navegação, exploração e pesquisa dos oceanos. No museu, você verá uma grande e valiosa coleção de artefatos marítimos, espécimes, fotografias e documentos históricos, muitos dos quais ilustram o início da oceanográfica moderna. Grande parte do que você encontrará ali foi obtido a partir das campanhas exploratórias do Príncipe Albert I (entre 1885 e 1915) e das navegações de Jacques Cousteau a bordo de seu famoso navio Calypso (entre 1961 e 1982).

 

Mas o destaque do museu, em minha experiência, foi o “Salle de la Baleine” – ou, em bom português, quarto da baleia. Lá, os visitantes encontram diversos esqueletos de mamíferos marinhos, incluindo um exemplar de quase 3 toneladas e mais de 18 metros de comprimento de uma baleia de barbatana, grupo do qual faz parte a baleia-azul, o maior mamífero do mundo.

 

LIGHSHOW DO MUSEU OCEANOGRÁFICO DE MÔNACO

É também no Salle de la Baleine que acontece o LightShow – um espetáculo surpreendente e emocionante.

Através de sons e projeções de luz, por alguns momentos e com um pouco de imaginação a gente quase se sente imerso no fundo no mar, absorto num balé de baleias dançantes.

Completamente concentrada na visita e atenta a cada uma das raridades expostas naquele salão, eu confesso que tomei um baita susto – daqueles dignos de mini-enfarto – quando as luzes se apagaram e a música começou. Rs! Ainda assim, foi a melhor experiência que tivemos por ali e uma das grandes memórias que trouxe de Mônaco.

O lightshow acontece, diariamente, de hora em hora.

 

EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS

Museu Oceanográfico de Mônaco © Imagina na Viagem

Para além de sua exposição fixa, o Museu Oceanográfico de Mônaco também recebe, com frequência, exposições temporárias diversas.

Durante nossa visita (e até Janeiro de 2018), o museu abrigava a genial exposição Borderline, do artista Phillippe Pasqua. Ao todo, 12 obras monumentais ocupavam cada área do museu, incluindo seu terraço e o penhasco no qual o edifício está incrustrado, dando ainda mais valor à visita. A ideia de Borderline é apresentar aos visitantes a relação dúbia do ser humano com a vida marinha, alfinetando o descaso com as preocupações ambientais.

Se você vai a Mônaco antes de Janeiro de 2018, vale ainda mais a pena incluir o Museu Oceanográfico de Mônaco em sua programação e ver de pertinho as obras imponentes de Pasqua.

 

OUTRAS ATRAÇÕES E ATIVIDADES…

Para completar a visita, estão disponíveis ainda: tour guiados, workshops diversos, experiências de imersão digital em 360º, alimentação de peixes e um tanque de interação, onde os visitantes podem tocar em estrelas do mar e outros seres marinhos.

Custos adicionais (além do valor do ingresso) podem ser cobrados e, para algumas atividades, é necessário reserva antecipada. Para se informar sobre valores ou reservar atividades, o melhor caminho é acessar o site oficial do Museu Oceanográfico de Mônaco (com versão disponível em diversos idiomas, mas não o português) em: https://www.oceano.mc

Antes de ir embora, vale também dar uma passada no terraço do museu. De lá, você terá uma vista privilegiada de Mônaco e do Mediterrâneo.

Museu Oceanográfico de Mônaco © Imagina na Viagem

 

 

INFORMAÇÕES PRÁTICAS

COMO CHEGAR

O Museu Oceanográfico de Mônaco está localizado no alto do Rochedo de Mônaco, bem próximo ao Palácio dos Príncipes.

Para quem chega de carro, a melhor opção é definir o destino de seu GPS para o estacionamento (parking) Les Pêcheurs. O estacionamento conta com mais de 500 vagas e está situado logo abaixo do museu, com ligação direta à entrada principal através de elevadores e escadas rolantes.

Se você optou por conhecer Mônaco com auxílio do transporte público, a melhor opção é pegar os ônibus de número 1 ou 2 (direção Monaco-Ville) e descer na Place de la Visitation.

Em nosso caso, estávamos de carro e tínhamos base em Nice. Se este também é o seu caso, vale dar uma olhada no mapa abaixo e conferir os trajetos possíveis de Nice até Mônaco. Você pode optar por um caminho mais rápido, pela autoestrada La Provençale (A8 ou E80), mas particularmente eu recomendo que você relaxe quanto a duração do trajeto e aproveite a viagem pelo litoral, curtindo aqueles que, certamente, serão alguns dos visuais mais lindos que você verá ao longo da vida. A pequena Villefranche-sur-Mer é um exemplo… no meio do caminho, suas águas esmeraldas fazem dela um pedacinho de paraíso.

 

No mapa, em vermelho, o Museu Oceanográfico de Mônaco. Em verde, Nice e Monte Carlo. Em azul, você confere duas opções de rotas de Nice ao Museu Oceanográfico de Mônaco: uma litôranea e cheia de visuais belíssimos e uma “sem gracinha” porém mais rápida.

De trem (via TER), o trecho entre Nice e Mônaco dura cerca de 20 minutos e custa apenas 1,70 euros. Os trens saem em curtos intervalos da estação Nice-Riquier e terminam viagem na estação Monaco-Monte-Carlo. Para mais informações, simule o trajeto na data de sua viagem diretamente no site da SNCF – responsável pelo serviço de trem entre as duas cidades – em: https://www.ter.sncf.com/paca

 

HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO

O Museu Oceanográfico de Mônaco abre todos os dias do ano, com exceção do final de semana do Grande Prêmio de Fórmula 1 e do dia 25 de Dezembro.

Os horários variam conforme as épocas do ano, sendo:

De Janeiro a Março, das 10h às 18h.
De Abril a Junho das 10h às 19h.
De Julho a Agosto das 9h30 às 20h.
Setembro, de 10h às 19h.
De Outubro a Dezembro das 10h às 18h.

 

INGRESSOS

Como qualquer atração turística, é recomendável que você compre seus ingressos antecipadamente, principalmente se viaja em período de alta temporada. No entanto, admito que nossa experiência comprando os ingressos na hora foi bastante tranquila.

Além das bilheterias convencionais, o museu conta com bilheterias eletrônicas onde é possível comprar os tickets numa espécie de autoatendimento, com cartão de crédito. Foi assim que compramos os nossos. Não havia filas (em Junho, na cara do verão europeu) e em menos de 5 minutos estávamos com os tickets na mão.

Se preferir prevenir, os tickets podem ser comprados pela internet, ainda aqui no Brasil, através do site oficial do Museu Oceanográfico de Mônaco, em: billeterie.oceano.tickeasy.com/

Os preços sofrem grande variação de acordo com a época do ano (se alta, média ou baixa temporada) e com a idade do visitante. Adultos pagam de 11 a 16 euros e, crianças e jovens (de 4 a 18 anos) pagam valores que ficam entre os 5 e 12 euros. Os pequeninos que ainda não têm 4 anos completos, têm entrada franca.

Para informações mais detalhadas sobre o preço para sua faixa etária na época da sua viagem, confira a tabela completa em: https://www.oceano.mc/mailings/TarifsMusee.html

 

GRUPOS

Se você viaja com um grupo de, no mínimo, 20 pessoas, vale a pena entrar em contato antecipadamente com o Museu Oceanográfico de Mônaco e verificar preços especiais.

No mesmo contato, também é possível agendar tours guiados, almoços, aniversários, etc.

Escreva um email para: resa@oceano.mc

 

 

SERVIÇO

Museu Oceanográfico de Mônaco
Avenue Saint-Martin – Monaco-Ville
Tel: +377 93 15 36 00

Email: musee@oceano.mc 

www.oceano.mc

 

Post anterior

Flores Village: boa escolha em hospedagem no Porto.

Próximo Post

Cassis: um guia completo do pedacinho esmeralda da Provence

1 comentários

  1. Geane Lins
    30 de outubro de 2017 at 03:06 — Responder

    maravilhoso !!

    • 30 de outubro de 2017 at 12:17 — Responder

      Que bom que gostou, Geane. O museu é lindo mesmo! 🙂

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *