Museu da Lavanda – Provence: tudo sobre a visita!

É difícil achar quem, numa viagem à Provence, não nutra o desejo de visitar um campo de lavandas. Os arbustos floridos são mesmo encantadores, e vê-los de perto foi uma das experiências mais memoráveis de minha passagem pelo Sul da França. Muito mais bacana que isso, no entanto, foi aprender sobre o cultivo da lavanda e compreender a tradição da flor na Provence. Isso foi possível na visita superinteressante que fizemos ao Museu da Lavanda – Le Château de Bois.

Neste post, você confere tudo o que vimos por lá, desde os detalhes da plantio ao uso medicinal da Lavanda Fina, bem como informações práticas para quem deseja incluir o Museu da Lavanda em seu roteiro pela Provence – coisa que, eu te garanto, vale muito a pena!

SOBRE O MUSEU DA LAVANDA E O LE CHÂTEAU DU BOIS

O Museu da Lavanda foi fundado em 1991 e é uma espécie de braço cultural de uma grande propriedade familiar dedicada ao cultivo da lavanda, chamada Le Château de Bois.

Numa tradicional casa de fazenda provençal, eles mantêm uma das maiores e melhores exposições dedicadas ao cultivo da lavanda em todo o mundo. Incluindo uma coleção de alambiques de cobre com peças datadas do século XVI. Além dos artefatos, o museu conta toda a história e tradição da lavanda de Provence através de vestimentas, fotos e documentários.

Localizado no coração do Parque Nacional do Luberon, a poucos quilômetros do vilarejo de Gordes e a pouco mais de meia hora de carro a partir de Avignon, o Museu da Lavanda figura com frequência no roteiro dos viajantes que passam pela região e atualmente recebe cerca de 50 mil visitantes ao ano.

 

LE CHÂTEAU DE BOIS

Fundado em 1890 e pertencente à família Lincelé há mais de 5 gerações, o Le Château de Bois possui cerca de 300 hectares,

 sendo 90 deles dedicados ao cultivo da Lavanda Fina, o que representa cerca de 10% da produção total da França.

Seus campos estão localizados em Lagarde d’Apt, entre o Parque Nacional do Luberon e Mont Ventoux, numa altitude aproximada de 1100m.

Além de ser reconhecido nacional e internacionalmente pela qualidade de sua produção, o Le Château de Bois destaca-se também pela adoção de métodos agrícolas sustentáveis.

 

 

A VISITA AO MUSEU DA LAVANDA

A visita ao Museu da Lavanda pode ser feita de duas formas: por conta própria, com o auxílio de áudio guia (disponível em 10 idiomas, incluindo português), ou através de um tour guiado na companhia de um funcionário do museu. Os tours guiados são oferecidos (sem custo adicional e desde que previamente agendados) a grupos com mais de 20 pessoas ou, ainda, diariamente (de Maio a Setembro) às 13h e às 17h para visitantes individuais.

A exposição começa com uma rápida explicação sobre os três tipos existentes de lavandas e sua

s principais diferenças (conto mais detalhes abaixo).

Após, os visitantes são convidados a assistir um documentário que conta detalhes da história, botânica, agricultura e tradição do cultivo da lavanda na França. O documentário é rico em detalhes e há tradução disponível em diversos idiomas, incluindo português.

Dali, somos levados a conhecer os artefatos utilizados na plantação, corte e destilação da planta e é nessa hora também que entendemos como são produzidos os óleos essenciais.

Museu da Lavanda - Provence © Imagina na Viagem

O museu é pequeno e a visita guiada (bem como os comentários do áudio guia) dura cerca de 1 hora. Ao final, existe ainda uma loja do Le Château de Bois, e é impossível resistir a dar uma olhadinha na gama enorme de produtos produzidos pela empresa. E aviso logo: uma vez ali, mais difícil ainda é não trazer alguns deles para casa. No total, é possível que você gaste de 1h30 a 2h no passeio.

Para quem viaja com crianças ou adolescentes, o Le Château de Bois disponibiliza um quiz com perguntas e respostas referentes ao conteúdo visto no museu. Ao término da brincadeira, os pequenos recebem presentes e um diploma. As crianças A-DO-RAM!

Ao término da visita, a depender da época do ano (geralmente entre Maio e meados de Agosto), é possível ainda contemplar um lindo campo de lavandins. O Museu da Lavanda ainda conta com uma área dedicada a piqueniques em seu jardim, e é uma excelente forma de terminar ou começar sua passagem por ali.

Por fim, vale a dica: quem visita a Provence e passa pelo Museu da Lavanda entre Julho e Agosto pode conferir de pertinho uma demonstração do processo de destilação da lavanda. O processo é feito em um alambique portátil datado de 1900, na área externa do Museu, diariamente (exceto Sábados), 4 vezes ao dia – às 10h, às

 12h, às 14h e às 18h. A exibição é gratuita e a entrada no museu não é necessária.

 

LAVANDA FINA, LAVANDA ASPIC E LAVANDIM – A DIFERENÇA ENTRE AS LAVANDAS

Em nossa visita ao Museu da Lavanda que aprendemos sobre três espécies de lavandas e as principais diferenças entre elas. Você sabia que a maioria dos turistas que passa pela Provence não chega a conhecer a lavanda verdadeira – ou Lavanda Fina? A maioria dos campos que estão abertos à visitação cultivam as chamadas Lavandins, uma espécie híbrida, bem menos prestigiada. Confira abaixo detalhes sobre cada uma das lavandas e o que as torna diferentes entre si.

© Musée de la Lavande – Le Château de Bois

 Lavanda Fina (lavendula angustifolia ou vera ou officinalis)

A Lavanda Fina é a prestigiada entre as lavandas. Ela cresce apenas nas montanhas se da Provence, em altitudes que devem superar os 800m.

Tendo sua disseminação feita exclusivamente por sementes, a Lavanda Fina é pequena e a forma mais fácil de distingui-la das demais lavandas é através de seus caules, que contém uma única flor.

Seu aroma delicado (daí vem a razão do nome Lavanda “Fina”) e as propriedades medicinais de seu óleo essencial são o motivo pelos quais ela é tão consagrada. É muito utilizada em perfumes, cosméticos e aromaterapia.

Para a produção de 1 litro de óleo essencial, são necessários 130kg de flores de Lavanda Fina. Um hectare de plantação é capaz de produzir, no máximo, 25 litros de óleo essencial anualmente. Seu baixo rendimento, associado ao seu prestígio, fazem com que seu preço seja bastante elevado.

 

Lavanda Aspic (lavendula latifolia ou spica)

A Lavanda Aspic cresce em terrenos pedregosos, em altitudes que variam de 0 a 800 metros e sua disseminação também é feita por sementes.

Seus arbustos são grandes e possuem várias ramificações e, diferentemente da Lavanda Fina, seus caules possuem várias flores.

A Lavanda Aspic não é muito utilizada na França e a justificativa é que, além de não ter propriedades medicinais, seu perfume é bastante forte, com um toque pesado de cânfora. Em Portugal e na Espanha ela pode ser encontrada com mais facilidade e é utilizada como solvente para pinturas e porcelanas.

 

Lavandim (lavendula híbrida)

Museu da Lavanda - Provence © Imagina na ViagemO Lavandim ficou conhecido por nós como o famigerado impostor. É a variação que quase sempre você encontrará em seus passeios pela Provence e que dá origem aos infinitos souvenires que você verá por lá.

É uma planta híbrida, a mistura entre a Lavanda Fina e a Lavanda Aspic. Seus arbustos são bastante cheios e arredondados e podem ser encontrados em todo o mundo, em altitudes que variam de 0 a 800 metros. Sua disseminação é feita através de enxerto ou “clonagem”.

Seu aroma é bem menos sutil que o da Lavanda Fina e tem um leve toque de cânfora (no museu é possível aspirar os óleos essenciais das duas plantas e a diferença é nítida!). Seu óleo também não tem propriedades terapêuticas.

Para produzir 1 litro de óleo essencial, são necessários apenas 40kg de flores de Lavandim, um rendimento total muito maior que o da Lavanda Fina.

Pela falta de características raras e seu baixo custo, o óleo do Lavandim tem sua utilização é mais utilizado em produtos de limpeza, aromatizadores de ambientes e souvenires de viagem.

 

O PROCESSO DE CULTIVO DA LAVANDA FINA

Ao todo, do momento em que é semeada a Lavanda até sua destilação, o processo de cultivo leva mais de três anos.

E embora muita gente pense que o trabalho se restringe a Junho, Julho e Agosto, quando os campos estão floridos, a verdade é que a produção da lavanda tem etapas que acontecem ao longo de quase todo o ano.

Março, por exemplo, é o mês das plantações. É quando as mudas cultivadas em viveiros (por três anos) são transferidas para o solo.
Em Abril e Maio, além de retirar as ervas invasoras, os produtores do Le Château de Bois se ocupam em aplicar os fertilizantes – sempre orgânicos – no solo afim de garantir uma floração de maior qualidade.
Em Julho e Agosto é quando ocorre o maior volume de trabalho. É, geralmente, ao final de Julho que começa a colheita das lavandas. No Le Château de Bois, o trabalho de colheita e destilação dura, em média, 15 dias.
Em Outubro, o solo começa a ser preparado para o próximo plantio.Já em Novembro é quando são semeadas as novas mudas no viveiro. As semente brotam cerca de 5 meses depois, mas ficarão ali por 3 anos até que estejam prontas para serem transferidas ao solo.

 

HISTÓRIA, CURIOSIDADES E INOVAÇÕES

Sabe-se que no início, o corte das lavandas era feito por mulheres e crianças, com auxílio de foices. Para os homens, cabia a tarefa da destilação das flores em alambiques de cobre feitos a mão e bastante simples. Hoje em dia, este tipo de alambique é conhecido como alambique ao figo direto.

Em 1920, são desenvolvidos, pela primeira vez, alambiques com manômetros (ou os chamados alambiques ao banho-maria) possibilitando que destilação fosse feita com temperatura e pressão estabilizadas. A inovação trouxe não apenas uma maior qualidade para o óleo produzido, como também uma redução do tempo gasto no processo. Se antes destilação das lavandas levava cerca de 2h, a partir da introdução dos manômetros este tempo passou a ser de menos de 1h.

O museu conta com alambiques destes dois tipos. Sendo um deles com capacidade para 250kg de flores. Uma verdadeira “máquina”.

Atualmente, são utilizados os alambiques ao vapor. Abaixo você confere detalhes do processo de destilação realizado por este equipamento.

Museu da Lavanda - Provence © Imagina na Viagem

 

PROCESSO DE DESTILAÇÃO

Hoje em dia, a destilação da lavanda é feita em destiladores com auxílio do vapor da água.
Explicando bem resumidamente, o vapor da água passa por um caldeirão que contém as folhas d

a lavanda, extraindo e levando consigo o óleo essencial da planta.

Essa mistura de vapor de água e óleo é então transferida para uma serpentina mergulhada em água fria, onde se dá a condensação – ou seja, a transformação do vapor em líquido.

Com a substância em forma líquida, fica fácil separar os elementos. Como o óleo tem densidade menor que a da água, ele permanece inteiramente na superfície e pode ser extraído sem maiores dificuldades. Assim, está pronto para o uso.
O desenho abaixo explica melhor todo o processo.

© Musée de la Lavande – Le Château de Bois

 

PROPRIEDADES MEDICINAIS DA LAVANDA FINA

É incerto em qual momento a lavanda começou a ser utilizada pelo homem. Alguns historiadores afirmam que, antes de Cristo, os romanos já utilizavam a lavanda para perfumar o banho e as roupas.

Ainda no século I, Dioscoride, um médico famoso por escrever sobre óleos essenciais e suas propried

ades curativas, já a utilizava na aromaterapia – que na época ainda nem tinha este nome!

Fato é que, anos mais tarde, a lavanda hoje é frequentemente empregada em nosso cotidiano e reconhecidamente uma aliada para nossa saúde e bem-estar.

Quando em forma de óleo essencial 100% puro, a Lavanda Fina pode ser utilizada como:

  • Calmante – no tratamento de insônia, irritabilidade, dores de cabeça e estresse.
  • Desinfetante e cicatrizante – aplicada em feridas e queimaduras, eczema seco, escaras, queimaduras de sol, picadas de insetos.
  • Anti-infeccioso – combatendo resfriados, sinusites e dores de garganta.
  • Relaxante muscular e analgésico – aliviando contrações musculares e reumatismo.
  • Antiparasitário – como prevenção a piolhos e combate a parasitas intestinais.

 

A LOJA DO MUSEU DA LAVANDA

A loja do Museu da Lavanda vende, exclusivamente, produtos que tem como base o óleo essencial da Lavanda Fina.

São cosméticos naturais e orgânicos que incluem óleos de massagem, sabonetes variados, cremes faciais e corporais, sais de banho e até mesmo vidrinhos do óleo essencial 100% puro e natural – certificado com AOP (a Appellation d’Origine Protégée – ou, em português, denominação de origem controlada que garante a procedência e a qualidade do produto).

A oferta é variada e os preços idem. O óleo essencial, por exemplo, por todas as suas propriedades terapêuticas e exclusividade (pouco litros são produzidos por ano!) tem valor elevado, mas existem algumas boas opções para trazer como lembrança para a família. Vale muito a pena gastar um tempinho por ali!

Eu trouxe alguns sabonetes e recebi – com enorme gratidão – kits com alguns produtos da marca, como hidratantes para o rosto, mãos, etc. Já experimentei todos eles e posso garantir com conhecimento de causa que são ótimos! Além de terem o cheirinho inconfundível e delicioso de lavanda fina.

E ainda que você não tenha uma viagem marcada para a Provence, pode conhecer e garantir os produtos da marca online. O Le Château de Bois tem uma loja online e existe possibilidade de entrega no Brasil.

Neste caso, você pode utilizar o código disponível na imagem abaixo e garantir um desconto no valor final de sua compra. E nem precisa me agradecer pela dica, viu? Rs…

Museu da Lavanda - Provence © Imagina na Viagem

 

INFORMAÇÕES PRÁTICAS

COMO CHEGAR

A melhor e mais prática maneira de conhecer a Provence é de carro. Existem dezenas de cidadezinhas e pontos de interesses espalhados pela região, e o carro vai te permitir conhecer um número maior delas em menos tempo.

Para quem viaja de carro, o Museu da Lavanda tem estacionamento gratuito e está a pouco mais de meia hora de Avignon, e a 15 minutinhos dos vilarejos de Gordes e Caivaillon. Para planejar o seu trajeto, dê uma olhada no mapinha abaixo.

No mapa, em vermelho, o Museu da Lavanda – Le Château du Bois. Em azul as cidades / vilarejos próximos.

HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO

O Museu da Lavanda está aberto diariamente, de Fevereiro a Dezembro.
De Fevereiro a Abril, o museu abre de 9h às 12h15 e de 14h às 18h.
De Maio a Setembro, de 9h às 19h, sem interrupções.
De Setembro a Dezembro, de 9h às 12h15 e de 14h às 18h.

A entrada é permitida até meia hora antes do horário de fechamento.

INGRESSOS

Os ingressos custam 6,80 € para adultos. Jovens até 15 anos têm entrada franca desde que acompanhados de familiares.

No terceiro Domingo de Março a entrada é gratuita para todos os visitantes.

GRUPOS

Grupos tem pagam valor diferenciado no ingresso. Sendo 5,50 por pessoa para grupos de até 19 integrantes, e 4,50 por pessoa para grupos acima de 20 integrantes.

Se o seu grupo ultrapassar os 20 integrantes, não deixe de entrar em contato previamente com o museu para agendar uma visita guiada. O contato pode ser feito através do site: www.museedelalavande.com

ACESSIBILIDADE

Como a gente sempre faz questão de dizer, acessibilidade deveria ser fator primordial para qualquer estabelecimento comercial… enquanto ainda não é, seguimos destacando a preocupação e consciência daqueles que assim o fazem.

O Museu da Lavanda é acessível a todos os portadores de necessidades especiais.

 

 

SERVIÇO

Musée de la Lavande
276, Route de Gordes, CS 50016
84220 Coustellet – Provence – França
Tel: +33 (0)4 90 76 91 23 / +33 (0)4 90 76 85 52

Email: contact@museedelalavande.com

www.museedelalavande.com

 

Post anterior

Compras em Miami: 5 dicas preciosas!

Próximo Post

Grand Hôtel Roi Rene: uma excelente opção em Aix-en-Provence

Sem comentários

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *