Laguna Esmeralda – Ushuaia

Quando começamos a programar nossa viagem para o Ushuaia e buscar por passeios na região, logo nos deparamos com a Laguna Esmeralda. Classificado pelos sites especializados como o melhor passeio a se realizar na cidade, os turistas se derretiam nos comentários. Ficamos loucos de vontade de conhecer aquele lugar cinematográfico!

Laguna Esmeralda © Marina Aurnheimer / Imagina na Viagem
Laguna Esmeralda © Marina Aurnheimer / Imagina na Viagem

Tínhamos um certo receio, no entanto. Em primeiro lugar porque não temos nenhuma pratica com trekking, e segundo é mais importante, o marido tem uma artrose no tornozelo – herança de um acidente de carro há alguns anos atrás. Caminhadas em terrenos acidentados são um problema para quem sofre com dores nas articulações. Depois de ver muitas fotos e vídeos na internet, decidimos que deveríamos arriscar, afinal de contas a Laguna Esmeralda parecia valer a pena e a trilha não parecia tão complicada.

Kk e Ignacio © Marina Aurnheimer / Imagina na Viagem
Kk e Ignacio © Marina Aurnheimer / Imagina na Viagem

Nesse meio tempo, conhecemos o Ignacio, da Ushuaia Aventura, pela internet. Guia de montanhas experiente – tendo subido o Aconcágua por 3 vezes – o Ignacio cresceu em Mendoza e se mudou há quase 2 anos para Ushuaia, onde atualmente trabalha guiando turistas em passeios aos pontos mais remotos e incríveis da região, como a Laguna Esmeralda, o Glaciar Martial, a Laguna de Los Tempanos, o Glaciar Vinciguerra e outros. Não poderíamos estar em melhor companhia! Fechamos o passeio.

A maior parte dos passeios até a Laguna Esmeralda acontece no período da manhã, mas Ignacio nos explicou que saindo à tarde as chances de encontrarmos castores no caminho eram maiores. Devido ao menor fluxo de pessoas no local naquele horário os animais se sentem mais seguros para deixar as castoreiras. Com o sol se pondo às 23h teríamos dia claro até o final do passeio, mas se você planeja visitar o Ushuaia no inverno, também pode contratar a caminhada vespertina. Quando o sol começa a baixar, o guia fornece capacetes com lanternas que asseguram a visibilidade da trilha.

No dia combinado Ignacio nos buscou no hotel pontualmente às 14h.
Depois de um percurso de 19km de carro, estacionamos no começo da trilha e nos equipamos para começar a caminhada.
Calçado, casaco e calça impermeáveis são indispensáveis! O clima no Ushuaia é sempre uma incógnita e, ainda que esteja um lindo dia de sol, precisamos estar sempre preparados pra tudo! Sticks de caminhada também ajudam bastante. Se você não tem esses equipamentos, saiba que existem lojas no centro de Ushuaia (Calle San Martin e redondezas) que alugam os trajes e acessórios necessários para essas atividades. É bom se proteger também com filtro solar, e não esqueça os óculos escuros!

Pois bem… Começamos nossa caminhada e logo de cara já nos deparamos com uma quantidade surreal de lama… Os dias que antecederam nosso passeio foram de chuva, o que fez piorar o estado da trilha. O caminho tem que ser percorrido com bastante atenção, já que qualquer pisada no lugar errado pode acabar num escorregão ou mesmo numa “atolada” básica.

© Gabriel Ignacio Laudadio / Ushuaia Aventura
© Gabriel Ignacio Laudadio / Ushuaia Aventura

Logo mais à frente já encontramos as primeiras castoreiras e uma pequena parte de toda a destruição que esses animaizinhos dentuços fazem na flora por ali. O castor é considerado um animal invasor – pois não é nativo da região – e já se tornou uma verdadeira praga, devastando áreas enormes de vegetação. Por essa razão, sua caça é liberada.

A destruição feita pelos castores na região. © Marina Aurnheimer / Imagina na Viagem
A destruição feita pelos castores na região. © Marina Aurnheimer / Imagina na Viagem
Castoreira. São várias dessas no caminho para a Laguna Esmeralda. © Marina Aurnheimer / Imagina na Viagem
Castoreira. São várias dessas no caminho para a Laguna Esmeralda. © Marina Aurnheimer / Imagina na Viagem

 

 

 

 

 

 

 

 

Mais um trecho de caminhada e chegamos a enorme um descampado de “turba”. A turba nada mais é do que uma vegetação morta que demora muuuito para se decompor e assim acaba formando um enorme tapete esponjoso. Pisar ali é meio que como pisar em um “travesseiro da nasa”, daqueles que a gente deita com a cabeça e afunda, e quando levanta ele volta ao normal. Não é como um pântano, nem como areia movediça, nem nada disso… É turba! Só pisando pra entender… Rs! Ah, e a turba pode ser usada como combustível, adubo e também como matéria prima para whisky! – Vai ter gente levando turba na mochila! Rs…

A esquisitíssima Turba! © Marina Aurnheimer / Imagina na Viagem
A esquisitíssima Turba! © Marina Aurnheimer / Imagina na Viagem

A partir daí começa a subida. Esse trecho da trilha não é muito longo e nem é muito íngreme também, mas com o solo molhado tudo fica mais complicado e escorregadio. Para nós, que não temos o hábito de fazer trekking – o final da subida foi um enorme alívio para as pernas e também para os pulmões!

© Gabriel Ignacio Laudadio / Ushuaia Aventura
© Gabriel Ignacio Laudadio / Ushuaia Aventura
© Gabriel Ignacio Laudadio / Ushuaia Aventura
© Gabriel Ignacio Laudadio / Ushuaia Aventura

 

 

 

 

 

 

 

Depois de cerca de 2h30 de caminhada, chegamos – enfim – à Laguna Esmeralda. Chegar ali é uma alegria dobrada… É como cruzar a linha de chegada de uma maratona e ainda dar de cara com aquele visual de tirar o fôlego, que a essa altura já é pouco!

© Gabriel Ignacio Laudadio / Ushuaia Aventura
© Gabriel Ignacio Laudadio / Ushuaia Aventura
© Gabriel Ignacio Laudadio / Ushuaia Aventura
© Gabriel Ignacio Laudadio / Ushuaia Aventura

 

 

 

 

 

 

 

Permanecemos por alguns minutos em silêncio, só observando a maravilhosa criação da natureza que estava a nossa frente. Mesmo com o dia nublado, a paisagem foi sem dúvida alguma uma das mais espetaculares que já pude presenciar nessa vida de viajante.
Depois de algum tempo contemplando e fotografando, Ignacio nos surpreendeu com um delicioso picnic! Lanchamos um sanduíche, uma autêntica maça argentina, um suco e, de sobremesa, um alfajor. Mais uma vez nos surpreendemos com o capricho e atenção de nosso guia!

Depois do lanche, mais um tempinho para fotos e demos adeus às lindas águas cristalinas da Laguna Esmeralda!

© Gabriel Ignacio Laudadio / Ushuaia Aventura
© Gabriel Ignacio Laudadio / Ushuaia Aventura

 

Ah… e por falar em fotos, vale dizer que durante os anos trabalhando como guia, Ignacio foi aprendendo as tecnicas de fotografia e hoje em dia manda super bem nos clicks! Ao longo de toda a caminhada, ele vai fotografando a paisagem e também o grupo, que alguns dias depois recebe todo esse material pela internet! Não é super bacana ter alguém para registrar esses momentos? Eu sei que a selfie tá na moda, mas um fotografo é sempre muito melhor!

Voltando à nossa caminhada: O retorno é bem mais tranquilo… Descobrimos que aquele ditado que diz que “pra baixo todo santo ajuda” é todo razão!

E lá vai ele roer mais uma árvore... © Marina Aurnheimer / Imagina na Viagem
E lá vai o castor roer mais uma árvore… © Marina Aurnheimer / Imagina na Viagem
Dique construído pelos castores. © Marina Aurnheimer / Imagina na Viagem
Dique construído pelos castores. © Marina Aurnheimer / Imagina na Viagem

 

 

 

 

 

 

 

E confirmando a previsão de nosso guia, dessa vez quando passamos pelas castoreiras tivemos a oportunidade de conhecer seus moradores. Ressabiados com nossa presença, não se aproximaram muito, mas o suficiente para conseguirmos uma ou outra foto. E mesmo sabendo de todos os danos causados pela espécie, é impossível não achá-los uma graça e não se admirar com a surpreendente engenharia aplicada em seus diques e casas.

Chegamos de volta ao carro por volta das 20h30 e no estacionamento, antes lotado, só sobrava o nosso carro. Fomos os últimos a deixar a trilha da Laguna Esmeralda naquele dia.

Chegamos ao hotel sujos, cansados, doloridos e… Felizes por ter, dias antes, decidido fazer o passeio e pelo encontro com Ignacio; Gratos pela paciência, parceria e dedicação de nosso guia conosco; Incrédulos com tamanha beleza que tivemos oportunidade de presenciar. Enfim… absolutamente realizados!

© Marina Aurnheimer / Imagina na Viagem
© Marina Aurnheimer / Imagina na Viagem

Acho que depois de tudo isso é quase que um pleonasmo dizer que suuuuuuper recomendo a caminhada até a Laguna Esmeralda e que indico – de olhos fechados – o guia que nos levou até lá.

Mas, se ainda restarem dúvidas, sugiro que você entre na página da Ushuaia Aventura no Facebook (www.facebook.com/ushuaiaaventura) e dê uma olhada nos álbuns de fotos do Ignacio na Laguna… Se as minhas palavras não foram suficientes pra você, certamente as imagens farão você se encantar!

Ficou com alguma dúvida sobre a Laguna Esmeralda ou Ushuaia? Tem alguma dica interessante de passeio ou quer contar sobre sua experiência por lá? Fala com a gente nos comentários aui em baixo! Vai ser ótimo conversar com você sobre o Fim do Mundo!

 

Confira mais posts sobre essa viagem:

Ushuaia – O começo do Fim do Mundo

Restaurantes em Ushuaia

Onde ficar em Ushuaia?

 

Se você quiser ver ainda mais imagens da pitoresca Ushuaia e assistir trechos de nossa caminhada até a Laguna Esmeralda e do passeio 4×4 até os lagos Fagnano e Escondido é só dar play no vídeo abaixo. E se gostar não deixe de inscrever-se em nosso canal no Youtube clicando aqui!

Post anterior

Ushuaia - O começo do Fim do Mundo

Próximo Post

Restaurantes em Ushuaia

1 comentários

  1. Mayara
    16 de dezembro de 2014 at 16:09 — Responder

    Deslumbrante!! Deve ter uma energia incrível esse lugar!

    • 16 de dezembro de 2014 at 18:50 — Responder

      E tem mesmo… Dá vontade de ficar por lá! 😛
      Até existe uma área para acampamento! Deve ser o máximo passar uma noite por ali, mas não havíamos nos programado pra isso! 🙁 Na próxima, quem sabe…

  2. Marilia
    18 de dezembro de 2014 at 17:02 — Responder

    Gostaria de conhecer, parece ser lindo, mas sou muito urbana…
    Sei que para ver as belezas naturais tem que sofrer um pouco nas caminhadas, nas trilhas, mas eu não conseguiria. Minha pergunta é se tem algo interessante para se fazer na cidade.

    • 18 de dezembro de 2014 at 18:19 — Responder

      A laguna é linda mesmo, mas de fato exige bastante de quem se dispõe a ir.
      A cidade em si é bem pacata, mas existem sim opções de entretenimento para quem não quer se aventurar pelo meio do mato! 😛
      Se você curte história, pode tirar um tempinho para conhecer o Museo del Fin del Mundo, que fica bem no centro turístico, na Av. Maipú, ou o Museo Marítimo, onde antigamente funcionava um presídio muito relevante para a história da região.
      Os casinos também são uma boa alternativa! Alguns deles oferecem shows de salsa e outros ritmos latinos durante os finais de semana! Eu não cheguei a conhecê-los mas pareciam estar sempre bem animados!
      Ah, e existem diversas opções de cruzeiros que param na cidade por apenas um ou dois dias! O que lhe dá a chance de conhecer não só Ushuaia, mas outros lugares interessantes na pontinha da América do Sul, com a vantagem dos serviços e lazer que os navios podem oferecer. Vale a pena pesquisar! 🙂

  3. 15 de junho de 2015 at 12:18 — Responder

    Adoramos o post! Só aumentou a nossa vontade de conhecer a Laguna. Chegaremos à Ushuaia dia 18/06 e ainda estamos cogitando fazer o tekking por conta. O que acham?
    Abraços e parabéns pelo Blog!
    😉

    • 15 de junho de 2015 at 17:11 — Responder

      Que maravilha! Já estão em contagem regressiva… Ushuaia é um destino excepcional, com certeza irão adorar.
      Sobre o Trekking, estivemos lá no verão e vimos alguns grupos e duplas fazendo a caminhada por conta própria. A trilha parecia bem demarcada e não oferecia muitos riscos para quem já tem alguma experiência com a atividade.
      Acredito que no inverno, em função da neve, o caminho possa ficar um pouquinho mais complicado.
      Sugiro que entrem em contato com o Ignácio, nosso guia – o qual mencionei no post -, através do email: gabriel.ignacio@laudadio.com.ar. Ele tem feito a trilha frequentemente com grupos brasileiros, e em todo caso, se não acharem conveniente contratá-lo, poderão ao menos pegar algumas dicas sobre o percurso nessa época do ano.
      Boa viagem e voltem para contar como foi! 🙂

      • 15 de junho de 2015 at 23:15 — Responder

        Marina! Muito obrigada pela sua atenção! As dicas são realmente muito boas! Pode deixar que a gente conta a nossa experiência quando voltarmos! Abraços!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *